sexta-feira, 24 de abril de 2009

Caras e Bocas

Há alguns anos uma menina fitava o espelho. Os olhos grandes e curiosos vasculhavam cada milímetro de sua imagem refletida. Devo dizer que ela adorava contemplar-se, imitar outras pessoas, representar personagens e cenas de novela, cantar cheia de trejeitos, fazer caretas: tudo isso na frente daquela coisa mágica que mostrava seu reflexo e que também invertia a ordem das palavras escritas.
Naquele dia, entretanto, ela se deteve com uma indagação do futuro, porque talvez foi quando percebeu que as pessoas se transformam e envelhecem. Então, uma ideia lhe passou pela cabeça: como ela seria daqui alguns anos?
O cabelo seria comprido, afinal ela nunca pôde abandonar todos os inúmeros tipos de corte estilo chanel. Bem que poderiam surgir alguns cachinhos, afinal aqueles fios lisos nunca conseguiram manter sequer uma presilha ou um simples rabo-de-cavalo. A boca, os olhos - ficariam iguais? Os lábios talvez tornariam-se mais carnudos, como os da maioria das mulheres que apareciam em revistas. Se bem que o da mãe...
As bochechas! Como ela queria que diminuíssem, ficariam mais bonitas assim. Ainda mais quando pudesse se maquiar de verdade! Seria baixinha ou alta como o pai? Bom, ela achava mulher "pequena" mais charmosa. Que ficasse magrinha, não era pedir muito. E a voz? Não conseguia se imaginar com voz mais de adulta, nem muito fina nem muito grossa.
Projetar sua própria imagem de anos depois era impossível. Mais difícil que divisão com dois números na chave.
O que aconteceu? Ela cresceu. Virou essa Winnie, um pouco diferente do que imaginara. Uma coisa manteve: essa mania de fazer projeções e previsões.

6 comentários:

DeLarge disse...

E a cada dia que passa, fica mais linda. Com essas bochechinhas, esse cabelo super liso e esse lábios. Amo Você!

Felipe disse...

Adoro essa Wi_

Milena disse...

Eu nunca fui de pensar sobre isso, mas quinta feira vi um documentário e passou uma mulher e mostrou a foto dela novinha, eu fiquei chocada. E pensei sobre isso com mais detalhes e tudo mais. Vou ficar velha, cheia de rugas e riscos pelo corpo. No mínimo, estranho.

;*

Kleberson disse...

Ahh, Wii, eu também fui;sou assim. Sempre fiz algumas previsões de mim no futuro, quando era mais novo. Eu imaginava uma certa época (depois que eu tomasse tal vacina, quando eu começa-se a namorar, quando eu me casar, por exemplo...) e quando eu cheguei nessas épocas (algumas, né, porque eu ainda não me casei hahahahahah), eu me lembrava que já havia me imaginado em tal momento quando mais novo. É divertido e dá um sentimento de felicidade, apesar de ser algo aparentemente simples, pois consegui chegar numa época que eu me imaginava quando mais novo. É meio que uma realização. Aliás, Wii, excelentíssimo texto, como sempre. Parabéns, pelo texto e pelo aniversário :) Beijão.

Natália disse...

Acho que isso que nos mantêm nós mesmas, essa mania filosófica incrível de questionar o espelho.

Rob Gordon disse...

pelo blog, a menina se tornou uma mulher adorável.